quinta-feira, 19 de maio de 2016

Matando ideias

     Vivemos em uma época complicada onde impera a impaciência, a vontade de provar seu valor em detrimento dos outros, a vontade de aparecer e o histórico medo do diferente. Como diz o Zangado, atrás do computador todo mundo é Leônidas e é assim que tudo isso tem piorado.
     Com a sensação de proteção que o computador gera, somados à grande velocidade do mundo, não só o digital, como a facilidade de informações, a crescente demanda de afazeres em oposição ao aumento do tráfego, o que gera, por consequência, muita raiva e impaciência, tem feito com que as pessoas andem sempre no limite e, muitas vezes, utilizam do computador como válvula de escape, sem contar a buzina no carro. O grande problema é que não é de uma forma construtiva como jogar videogame ou escrever um texto e sim xingando e desmoralizando os demais.
     Quando alguém erra, surge uma enxurrada de ataques e humilhações, estas que muitas vezes inibem e matam as ideias. Uma vez vi alguém que havia entendido o logo do Windows e postou sua descoberta no Orkut, o que gerou muitas piadas, com direito a ser inclusa nas pérolas da finada rede social. Não é por que você sabe que deve humilhar os outros. Imagine se os professores fizessem isso na escola? A criança chega e diz que o céu é azul, o que a professora responderia "jura. Você descobriu a América. Não se esqueça de me contar quando descobrir a cor do tomate" ou algo assim. Resultado pessoal: trauma. Resultado social: provavelmente uma fonte de ideias a menos no mundo. Mas em um mundo tão perfeito, de paz permanente, sem fome, sem doenças e sem problemas o que uma ideia a menos representa?
     Quando uma pessoa de renome erra aí a coisa muda de figura. Para muitos esse é o grande achado. El Dourado e Atlântida não são nada comparado a essa oportunidade. A chance de provar sua sapiência humilhando alguém muito conhecido. Os youtubers quando erram são tratados assim: em um vídeo de God of War: Ascension, se não me engano, o EngLeo se equivocou e disse que estava jogando God of War 3, o que gerou montanha de críticas dizendo que ele não sabia nada, que era um imbecil. Tudo por que ele se confundiu. Imagina se essa energia fosse usada para solucionar os problemas do país?
     Na busca do "estrelato" muitos quebram a cara. Em um vídeo sobre Os Cavaleiros do Zodíaco, em que o EngLeo estava usando o Seiya com a armadura de Odin, discutiu sobre a inviabilidade de uma espada de diamante, algo que eu não sabia e que aprendi, mas que muitos, achando que estavam abafando acabaram abafados, como diria uma professora minha, criticaram e ofenderam, ao que receberam a resposta física de um engenheiro de materiais.
     Não há necessidade de humilhar os outros para se chegar a algum lugar. Isso pode ocorre somente com seu esforço, algo esquecido no Brasil, onde BBBs se tornam famosos, e que, como diria outro professor, se você não jogar futebol ou ter uma esposa que posou sem roupa, não é nada. Não só poderíamos como deveríamos ser reconhecidos pelo esforço e não por estes pensamentos medíocres. Vamos parar de matar a curiosidade e as ideias dos outros, chega de humilha-los só para nos promovermos. Quer ser alguém: se esforce. Apesar de tudo sempre haverá uma pessoa que irá reconhecer seus esforços honestos, mesmo aqui no Brasil. Não precisa usar de subterfúgios para obter os holofotes, pois estes terão somente seus 15 minutos de fama, já quem construiu algo durante a vida poderá ter a eternidade.
     Saudações gamer e respeito com os outros. Chega de matar ideias.
___________________________________________________________________

Ajude-nos a melhore a comunidade gamer do Brasil. Faça seus comentários, divulgue nosso trabalho e siga-nos nas redes sociais. Agradecemos o apoio e a confiança
  • Clique aqui para nos seguir no Twitter
  • Clique aqui para nos seguir no Facebook
  • Clique aqui para nos seguir no Google +

Nenhum comentário:

Postar um comentário