quinta-feira, 28 de julho de 2016

A reportagem sobre Pokémon GO do Jornal da Cultura

     No dia 26 de julho de 2016, última terça feira, o Jornal da Cultura fez uma reportagem sobre o Pokémon GO estar prestes a estrear no Brasil e as polêmicas geradas pelo jogo. Admito que não gostei da abordagem usada, mas, devido a credibilidade do jornal, que eu considero o melhor do país pela sua isenção, debates com pessoas inteligentes e sem focar somente em tragédias, como a maioria, sem contar a da própria TV Cultura, que sempre apoiou as mais variadas formas de arte, não direi que foi sensacionalista e anti-games, diria que foi uma escolha infeliz de abordagem. 
     Na reportagem foi explicado brevemente de que consiste o jogo, que este já virou febre e as polêmicas causadas, estas divididas em dois grupos: locais em que certos pokémons foram colocados como em Fukushima, a usina nuclear em que ocorreu o vazamento, e em Auschwitz, o maior centro de concentração do mundo, responsável por milhares de mortes e localizado na Polônia, e das loucuras realizadas pelas pessoas na busca para capturar os Pokémons.
     Quanto a primeira polêmica, concordamo que algumas escolhas de locais foram péssimas. Não sei se por descuido, uma tentativa de humor negro, política interna e semelhantes, sei que a Nintendo precisa rever isso. Concordamos que esta pode ser colocada como polêmica. Já a segunda acho mais estupidez dos usuários, como disse um dos comentaristas, do que outra coisa. Sair andando pela cidade, salvo se esta for perigosa, conhecendo-a e capturando os pokémons é uma ótima ideia, agora deixar de prestar atenção no percurso expondo-se ao perigo é demais. Uma das cenas mostradas foi um cara batendo em um outro, este da polícia e estacionado, porque estava tentando realizar uma captura. O que uma pessoa de bom senso faria? Estacionaria o carro e seguiria jogando ou deixaria para outro dia.
     A ideia do jogo é uma interação aos moldes dos games e do desenho. Ideia sensacional. Agora, do mesmo jeito que o Ash não sai por aí como um louco o mesmo não deve ser feito no mundo real. Entrar em zonas perigosas e tomar atitudes imprudentes é demais e não condiz com o espírito do jogo e do anime.
     Quanto ao que os comentaristas disseram, um falou para, ao invés de jogar ler um livro. Mas por que não fazer os dois? É só uma questão de planejamento e administração de tempo. Nós aqui sempre incentivamos isso. Já o outro comentário já foi dito anteriormente, já com o nosso aval.
     O videogame, por ser algo relativamente recente, ainda causa estranheza para alguns, muitas vezes os confundindo. Uma de nossas metas e minimizar isso com divulgação de informação. Já aos gamer do jogo, fica só a dica para terem bom senso e não fazerem estupidez. Quanto a TV Cultura, bem que eles poderiam fazer uma série de reportagens, ou algum programa especial falando sobre os games, talvez um Roda Viva, JC Debate ou semelhantes, já que videogame também é cultura e arte e, como tal, muitas vezes não é reconhecida em seu tempo.
     Saudações Gamers 
___________________________________________________________________

Ajude-nos a melhore a comunidade gamer do Brasil. Faça seus comentários, divulgue nosso trabalho e siga-nos nas redes sociais. Agradecemos o apoio e a confiança
  • Clique aqui para nos seguir no Twitter
  • Clique aqui para nos seguir no Facebook
  • Clique aqui para nos seguir no Google +

Nenhum comentário:

Postar um comentário