quarta-feira, 20 de julho de 2016

Os marcos dos jogos

     Quando falamos de cinema, é comum lembrarmos de filmes que foram marcos, seja pelos efeitos especiais como Jurassic Park e Matrix, por personagens inesquecíveis vide Darth Vader, Hannibal Lecter e James Bond, pela quantidade de prêmios recebidos como Ben Hur, Titanic e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei, por músicas inesquecíveis, vide Harry Potter e ET, por atuações impecáveis como a de Heath Ledger em Batman: O cavaleiro das trevas ou Jack Nickolson em Melhor é impossível e O Iluminado. Enfim, temos várias categorias para falar de filmes que marcaram não só sua época, mas a história.
     O mesmo raciocínio vale para as demais formas de arte e os videogames não são exceção. Alguns jogos ficaram conhecidos por seu protagonista, desde Mario, Kirby, Sonic, Crash Bandicoot, Pacman até Dante de Devil May Cry, Kratos e Lara Croft. Outros ficaram pelos seus vilões, desde os carismáticos Bowser, Dr. Wily, Dr. Robotnik ou Eggman até os que causaram pesadelos gamers pela sua dificuldade e/ ou apelação como Shao Kahn, Cabeça de Pirâmide, Nêmesis, e Sephiroth do Final Fantasy VII e Kingdom Hearths, como chefe secreto e opcional.
     Alguns jogos se tornaram marcantes, entre outras coisas, pela trilha sonora. Uncharted é um grande exemplo. God of War aparece também nesta categoria, assim como muitos jogos da saga Final Fantasy. Às vezes uma música específica se destaca e fica marcada na memôria. É o caso da música do Super Mario Bros. do Nintendinho, a da primeira fase de Sonic, a do final de Portal 2, etc.
     Certos games se tornaram marcos por revolucionar a indústria criando novos gêneros ou os popularizando. Mario e Sonic aparecem novamente como grandes exemplos do gênero plataforma, Resident Evil e Silent Hill por popularizarem o Survivor Horror ou Alone in the Dark por ser o primeiro do gênero, a saga Metal Gear para os jogos Stealth, Wolfenstein 3D, Doom e Duke Nuken 3D  para o jogo de tiro em primeira pessoa, GTA e os jogos de Mundo Aberto, Devil May Cry e Bayonetta para os Hack and Slash, etc. Outros jogos surgiram para  recriar ou reformular gêneros consagrados adcionando características que passaram a ser usadas por todos os seus sucessores. É o caso de saga Halo, melhorando os já mencionados jogos de tiros e Batman Arkham Asylum que reinventou os jogos de heróis.
     Certos jogos se tornaram famosos por romperem com o padrão vigente, o que gerou polêmicas, como Mortal Kombat e Doom por sua violência em uma época em que isso não era tão explícita nos games, ocasionando a criação da classificação etária. Outros se tornaram marcos pelas funcionalidades apresentadas ou popularizadas como o multiplayer, indo desde Quake, Counter Strike e Call of Duty até Diablo, World of Warcraft e League of Legends. Por fim certos jogos ficaram famosos pela sua dificuldade como Battletoads, Ghost´n Goblins e Ninja Gaiden.
     Esta lista pode parecer grande para alguns, mas garanto que é só uma breve noção de alguns dos marcos dos jogos, do mesmo jeito que de alguns filmes no primeiro parágrafo. Se você é como eu e adora games, ao ler esta lista tem vontade de jogar a maioria, se não todos. Agora se você está chegando agora ao mundo dos videogames, não entre em pânico, com o tempo você se familiarizará com estes e muitos outros nomes. Tenha paciência. Lembre-se que videogame é um hobby, pelo menos para a maioria. O que pode parecer grego hoje será o ABC de amanhã. Seja como for, independente da sua experiência gamer, sempre podemos aprender mais sobre esta área incrível que trás alegria a muitas pessoas e com a tendência de crescer muito mais.
     Saudações gamers e boa diversão
        
___________________________________________________________________

Ajude-nos a melhore a comunidade gamer do Brasil. Faça seus comentários, divulgue nosso trabalho e siga-nos nas redes sociais. Agradecemos o apoio e a confiança
  • Clique aqui para nos seguir no Twitter
  • Clique aqui para nos seguir no Facebook
  • Clique aqui para nos seguir no Google +

Nenhum comentário:

Postar um comentário