quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Menos é mais

     Imaginem o seguinte cenário. Você está jogando um game extremamente divertido, vamos supor, para facilitar a vida de todos o Super Mario Bros, um jogo que a grande maioria conhece. Você é fã e joga há anos, sempre se divertindo bastante. De repente a Nintendo, começa a lançar novas atualizações, cada uma colocando novas regras de conduta. Assim, depois de um tempo, o jogo começa a apresentar características como: você não pode quebrar mais tijolos, só podendo acertar precisamente o espaço em que existirem cogumelos, só pode usar um deles por fase, não pode pisar/ matar nenhum inimigo, precisa pular em um ângulo de determinada amplitude, caso contrário o jogo dá game over, não pode correr e assim suscetivamente.
     Com o tempo ninguém mais vai querer jogar este jogo, pois ficou extremamente chato, com milhares de regras, que visavam deixar, segundo seus idealizadores, o jogo melhor e mais justo. Visto o fracasso, a Nintendo, no nosso exemplo, deixaria de produzir jogos do Mario e, com o tempo, ele seria esquecido, ou, no máximo lembrado como o jogo com milhares de regras. Já imaginou que horrível seria, não só perdermos um dos mais amados símbolos dos jogos, assim como sua franquia de sucesso, mas, principalmente, jogar essa coisa em que cada movimento deve ser calculado e preciso, onde um leve deslize estraga tudo, por desobedecer uma regra? 
     Então, quando um governo começa a colocar milhares de regras, no caso leis, para seu povo, é exatamente isso o que ocorre. NÃO estou defendendo um Estado anárquico, mas sim um conjunto de leis mais abrangente, de fácil entendimento pela população e de aplicação prática, de modo em que possamos viver em sociedade, sempre respeitando as liberdades de cada um, mas sem ficar paranoico s com o número excessivos de regras. O mesmo raciocínio vale para a burocracia, por sinal.
     Algo que não consigo entender, e, se algum jurista conseguir me ensinar agradeço é o seguinte: o primeiro artigo, se não me engano, da Constituição, o nosso código de leis supremo, diz, mais ou menos assim, que é proibido qualquer prática preconceituosa seja pela cor, sexo, opção sexual, religião, etc. Então, por que temos, além desta lei, uma para crimes contra racismo, uma contra homofobia e assim por diante? Todas não chegam no mesmo ponto, ou seja, que o preconceito é proibido? Então porque criar tantas regras de uma coisa que JÁ EXISTE? Como sabem faço uma grande campanha CONTRA QUALQUER PRECONCEITO. Não estou falando de tirar direitos, muito pelo contrário, estou exigindo-os, mas de uma forma simples. O mesmo raciocínio vale para os demais assuntos. Na ânsia de criar uma democracia perfeita, prática comum em países com esta jovem, busca-se criar regras para tudo ao invés de simplificar, mas sem tirar direitos, com regras mais gerais, de fácil entendimento pela população e, que, se fossem divulgadas, faria tudo mais fácil.
     Ainda teríamos os advogados, estes que, com menos leis, continuariam sendo os maiores especialistas das normas de conduta da população, junto com os demais juristas. A informação seria dominada por eles, porém, a população teria uma excelente noção, consequentemente maior obrigatoriedade de seguir as leis, já que a ignorância não poderia ser uma desculpa de fato. Se tais regras ainda fossem ensinadas na escola básica, todos saberiam o que podem ou não fazer. Se o mesmo raciocínio fosse aplicado nas outras áreas teríamos as tão sonhadas reformas que o Brasil precisa, tais como a política, a fiscal, a trabalhista, etc. Neste caso menos é mais e, tirando aqueles, que usam as leis como subterfúgios para realizar as maiores atrocidades, como políticos corruptos, ninguém sairia perdendo, já que os juristas, sabendo as leis de cor e salteado, continuariam defendendo seus clientes, interpretando as leis e julgando os casos. 
     Assim como os gamers ganharam com o Mario, sem que este precisasse de milhões de regras, a sociedade também tem muito a ganhar com a simplificação das leis e dos processos em geral, mas sem tirar os direitos da população, só tornando-os mais fáceis de entender e aplicar.
     Saudações gamers
    
______________________________________________________________________


     A NGC quer saber sua opinião. Ela é importante para nós. Faça seus comentários, divulgue nosso trabalho e siga-nos nas redes sociais. Ajude-nos a melhore a comunidade gamer do Brasil. Juntos somos mais fortes.
     E não se esqueça de prestigiar os nossos parceiros. É só clicar em um dos banners aqui no nosso site, assim TODO MUNDO sai ganhando. É rápido e prático.
     
  • Clique aqui para nos seguir no Twitter
  • Clique aqui para nos seguir no Facebook
  • Clique aqui para nos seguir no Google +

Nenhum comentário:

Postar um comentário