segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Guerra é legal? Só na ficção

     Desde de pequenos os meninos brincam simulando conflitos. Seja o herói contra o bandido, grandes batalhas, exércitos de bonecos se enfreando, jogando War, videogame, etc. Desde os primórdios, crianças brincam desta forma e é dito que assim o fazem para lidar com o lado primitivo presente em todos os seres humanos. Não sei se é isso, mas digo uma coisa. Muito melhor que tais conflitos fiquem só na ficção.
     Para qualquer um que tenha estudado história ou que não tenha sofrido lavagem cerebral, sabe que a guerra é horrível, gerando destruição, morte, perdas em todos os sentidos e semeando a tristeza. Porém existe uma única forma de guerra legal: a fictícia. Seja em livros, filmes, jogos, brincadeira ou qualquer outra forma, os conflitos chamam a atenção do ser humano, saciando a dita necessidade primitiva mencionada. Alguns falam também que isso é possível por meio dos esportes. Penso ser viável. O mais importante é que fique só nisso, na fantasia e nunca se torne algo real.
     Algumas pessoas que desconhecem o real estrago da guerra, aqueles que não estudaram história, nem assistiram filmes sobre conflitos seja documentários ou dramas, ou seja, aqueles que retratam a realidade, mesmo que parcialmente, acham que a guerra é divertida, que, ao se tornar soldado, virará o Chuck Norris, fazendo coisas impossíveis, matando todos os adversários, mas saindo ileso. Não é assim. Da mesma forma como também estão errados aqueles que pensam ser os soldados da liberdade, da verdade e semelhantes. A guerra é sempre ruim e devastadora e só deve ser usada em último recurso, quando TODAS as demais formas de negociação fracassarem. Dentre os iludidos, mencionados a pouco, existem muitos que pensam que o conflito armado é como um jogo como COD ou Battlefield. ERRADO. Os games são ficção, onde ninguém precisa sofrer de verdade, nada é destruído, ou seja, pura fantasia. Já a verdade é bem diferente.
     Antes que alguém fale frases como "jogos induzem à violência", gostaria de dizer que não, a culpa não é dos jogos e sim da ignorância. Qualquer forma de guerra fictícia não causa guerras nem torna as pessoas mais violentas. Uma das responsáveis é a falta de conhecimento. Ao estudar história, ver documentários mostrando os horrores da guerra, estudar mais sobre o assunto, salvo se a pessoa tiver algum problema ou ter sofrido lavagem cerebral, perceberá que a guerra real é ruim e que esta deve ser evitada a todo custo. Porém, ao se ter a noção do que é real e do que é ficção, a pessoa pode simular ou ter contato com conflitos, saciando o seu desejo primitivo, mas permanecendo na paz. Vamos focar no real inimigo, no caso a ignorância, ao invés de sair procurando bodes expiatórios.
     Somente na ficção, algo tão terrível como a guerra se torna divertida, seja em jogos de videogames como Medal of Honor, no tabuleiro com o clássico war, nos filmes de ficção como Star Wars, nas brincadeiras infantis, nos livros e assim por diante. Salvo neste caso, em que tudo é invenção, a guerra é sempre uma derrota. Se você não pensa assim, sugiro que estude mais, assista mais filmes, principalmente documentários e assim por diante. Se você sabe os horrores da guerra, mas acha que a ficção pode levar ao real, tenha calma. Divulgando conhecimento todos estas criações da imaginação não passarão disso, faz de conta.
     Saudações gamers
__________________________________________________________________
     A NGC quer saber sua opinião. Ela é importante para nós. Faça seus comentários, divulgue nosso trabalho e siga-nos nas redes sociais. Ajude-nos a melhore a comunidade gamer do Brasil. Juntos somos mais fortes.
     E não se esqueça de prestigiar os nossos parceiros. É só clicar em um dos banners aqui no nosso site, assim TODO MUNDO sai ganhando. É rápido e prático.
     
  • Clique aqui para nos seguir no Twitter
  • Clique aqui para nos seguir no Facebook
  • Clique aqui para nos seguir no Google +

Nenhum comentário:

Postar um comentário